Gestapo Acima de Todos!

O nº 8 da Prinz Albrecht Straße tornou-se conhecido como um centro de torturas ou “técnicas de interrogatório”, segundo os agentes da Gestapo, relatando-se que pessoas que passavam pelo local ouviam gritos vindos do interior do prédio.

Não Existe Milagre Econômico

Só um pouco de história para aqueles que alegam que a Alemanha nazista, apesar das atrocidades, viveu um milagre econômico e acham que isso justifica algo…

O que a Alemanha nazista fez foi escravizar seu próprio povo em uma indústria bélica que jamais seria sustentável sem a guerra. O texto acima fala sobre tortura, mas preciso ser claro; essa tortura não era aplicada aos inimigos internacionais ou criminosos, mas sim aos “inimigos do estado” ou seja, trabalhadores que exigiam respeito ou direitos. Os agentes da GESTAPO se infiltravam nas fábricas, incitavam levantes para revelar os descontentes, marcavam encontros e eliminavam todos aqueles que pensavam qualquer coisa em desacordo ao governo. A Gestapo era a garantia do completo domínio da população pelo Partido nazista.

Criada em 26 de abril de 1933 por Hermann Göring e reorganizada em 1936 por Reinhard Heydrich, passando ao controle de Heinrich Himmler em 1934, essa polícia funcionava sem tribunal, decidindo ela mesma as sanções que deviam ser aplicadas. Tornou-se célebre primeiramente na Alemanha, e depois em toda a Europa ocupada, pelo terror implacável de seus métodos. A Gestapo representou o arbítrio e o horror das forças nazistas. A sua sede ficava na rua Prinz-Albrechtstrasse, em Berlim – onde há um museu sobre a sua história.

Nenhum governo fascista governa sem o medo e sem a imposição da força. Tudo começa com um discurso de ódio, que até pode parecer ingenuidade ou ignorância, mas que cresce com a arbitrariedade das ações totalitárias que buscam a sua legitimização no próprio discurso. Isso divide as pessoas e o medo da ação do estado vilaniza aqueles dispostos a se sacrificar pelos direitos dos demais, criando um sufocamento social que permite o controle da população. Nesses estados não existe imparcialidade, justiça ou direitos.

Se você votou em Bolsonaro por questões econômicas, repense.

Gato e Rato

A Gestapo era famosa pelo jogo de “gato e rato” que fazia com todos aqueles que julgava suspeitos. Em outras palavras, jamais prendia alguém imediatamente; mas estimulava suas supostas atitudes subversivas, para pegar não somente um suspeito mas, se possível, todos aqueles que com ele tivessem ligação.

Um dos métodos de atuação de seus membros era disfarçar-se de operários e ir “trabalhar” nas fábricas; lá, eles aguçavam os outros trabalhadores para uma revolta contra o governo, a polícia secreta passava uma lista onde os operários que estavam a favor assinavam seus nomes. Durante a noite, aqueles que assinaram a lista recebiam uma visita de alguns policiais fardados e com um botton de um crânio e uma águia de ferro no quepe. No dia seguinte o operário era substituído por outro, pois ninguém mais o via.

O nº 8 da Prinz Albrecht Straße era o provável último paradeiro desses trabalhadores, onde sofriam torturas até morrer. Entre os métodos de interrogatório, incluíam repetidos afogamentos de prisioneiros em uma banheira de água gelada; choques elétricos ligando os fios às mãos, pés, orelhas e genitália; esmagamento de testículos; levantamento do prisioneiro pelas mãos amarradas atrás das costas, causando a luxação do ombro (prática conhecida durante a Inquisição católica como o pêndulo); espancamentos com cassetetes de borracha ou chicotes e queimaduras com charutos ou ferro de soldar.

Bolsonazismo

Gabinete do Ódio, linchamentos virtuais, vitimização e demonização, fake news, incitações à rebeliões contra instituições, a prática de desacreditar a mídia e o jornalismo… O Bolsonarismo tem diversas formas de perseguição, que usa contra amigos e inimigos. Esse cenário de instabilidade é apenas a base de um discurso que flerta, diariamente, com o autoritarismo. O ex-ministro Sergio Moro criou uma polícia especial na Força Nacional, tentou emplacar um projeto de lei que garantia licença para matar. Bolsonaro e seus filhos defendem abertamente a militarização das escolas e a regulação dos direitos individuais. Nada disso é normal. Não deve ser. O Brasil ainda é uma democracia.

HomeroDetalhe é:

Um estado fascista não vai melhorar a condição de ninguém e vai tirar todo seu direito de estar insatisfeito. Na prática, no governo de Bolsonaro, você não é um cidadão, é UM INIMIGO.

Leave a comment